Estacionar a bicicleta nas ruas é sempre motivo de preocupação para os ciclistas urbanos. Não só pela falta de estrutura adequada, mas também pelos constantes roubos. É preciso atentar para que a bike esteja adequadamente acorrentada, mas também é preciso ter a certeza de que nenhum dos componentes está fácil de ser retirado.

Um dos itens que são levados facilmente por ladrões é o selim. O banco das bicicletas mais modernas é feito para facilitar a vida dos ciclistas e por isso não precisa mais de chaves especiais para serem adaptados à altura correta. Isso também os torna frágeis, pois podem ser retirados em poucos segundos, sem muito trabalho.

Para resolver os dois problemas de uma só vez um grupo de designers norte-americanos desenvolveu o Seatylock. Um selim que se transforma em uma trava de alta resistência. Ao parar a bicicleta, o ciclista precisa apenas retirar o banco por inteiro e usá-lo como um cadeado do tipo U lock.


Foto: Divulgação

O sistema pode ser usado para travar apenas as rodas ou para manter a bicicleta “acorrentada” a um paraciclo, grade ou poste. De acordo com os criadores, o selim é adaptável a qualquer bicicleta e está disponível em dois modelos, para garantir o maior conforto dos ciclistas.


Foto: Divulgação

O equipamento oferece exatamente as mesmas funcionalidades de um banco normal, sem comprometer a eficiência ou durabilidade do selim. Cada um dos Seatylock vem equipado com uma chave única, assim como os cadeados e travas comuns.


Foto: Divulgação

Os inventores estão em busca de financiamento coletivo para disponibilizar o produto em larga escala. Conforme descrito no projeto aplicado no Kickstarter, já foram produzidos e testados 15 protótipos, que provaram a eficiência e qualidade do sistema.


Foto: Divulgação

Os interessados podem apoiar financeiramente o projeto e, em troca, garantir as primeiras unidades do Seatylock, que está previsto para começar a ser distribuído em março de 2015. 

Redação CicloVivo

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.