Cingapura anunciou um plano que vai reduzir a taxa de crescimento anual de automóveis e motos de 0,25% ao ano para 0%. A ideia é impor um número máximo de veículos particulares por falta de espaço nas ruas.

Hoje, o país já é um dos lugares mais caros para possuir carro e o aumento no valor foi proposital. Também o governo já havia imposto uma quota máxima de compra de veículos. Mas nada disso inibiu a compra, por isso houve a decisão de realizar um controle maior para impedir o avanço. Em contrapartida à proibição, serão investidos cerca de 17 milhões de euros em transportes públicos nos próximos cinco anos: promete o governo local.

Mas como será esta proibição? A estratégia da gestão é exigir que os proprietários de automóveis comprem licenças, chamadas Certificados de Titularidade, que dão direito ao uso do veículo por até 10 anos. Este documento, que é emitido pela Autoridade de Transporte Terrestre (LTA), é leiloada mensalmente pelo governo. No leilão mais recente, o melhor lance pagou mais de 41 mil dólares -, apenas pelo privilégio de poder operar o veículo.

A gestão calcula que as estradas atualmente ocupam 12% da área total da terra da cidade. São mais de 600 mil carros particulares e a ideia é fazer melhor uso do espaço restante.

Redação CicloVivo