Um projeto que mistura reutilização de garrafas de plástico PET com técnicas de tecelagem tradicionais. É esta a proposta do PET Lamp criado pelo designer espanhol Alvaro Catalán de Ocón. Desde a criação, em 2011, já foram desenvolvidos trabalhos no Japão, Austrália, Etiópia, Chile e na Colômbia.

Seu trabalho teve início ao conhecer a amazônia colombiana e surpreender não só com a beleza exuberante da mata, como também como todo os resíduos plásticos das zonas tropicais.

“As chuvas tropicais lavam as garrafas de plástico de PET nos rios, que, por sua vez, as levam para o mar. Uma vez lá, as garrafas flutuam nas correntes oceânicas. Apesar do tamanho desse problema, nenhum país assumiu a responsabilidade ainda”, afirma o jovem em seu site.

A ideia então foi unir o útil ao agradável. Ao mesmo tempo em que estimula a reutilização das garrafas plásticas, que do contrário seriam descartadas irregularmente, também cria belas luminárias.

Uma questão de identidade

O projeto ainda ganha um toque especial ao passo que o profissional se conecta com os artesãos locais e aplica suas técnicas na criação. Isso dá uma beleza única e exclusiva, que reflete a cultura de cada país por onde passa.

“A identidade de cada cultura que participou do projeto é evidente em cada lâmpada. O frescor da fibra de palmeira e os corantes coloridos utilizados pelo povo de Eperara (grupo indígena da Colômbia). A espessura da tecelagem dos guambianos (povos que habitam o sul da Colômbia) que vem sem dúvidas do frio, do clima chuvoso dos Andes. No caso de Chimbarongo e Mapuche, a sobriedade do vime pode estar relacionada com a personalidade austera e silenciosa do povo do centro do Chile. Em relação à Etiópia, as fibras pesadas e densas usadas na tecelagem de suas cestas podem estar relacionadas ao campo áspero da Etiópia. No caso do Japão, o tratamento artístico e delicado de bambu em combinação com plástico alcançou acabamentos e projetos requintados”, explica o designer em seu site. Mais sobre seu projeto pode ser visto aqui.