O arquiteto irlandês Patrick Bradley encontrou nos contêineres uma solução econômica para construir a sua própria casa na fazenda. O material reaproveitado barateou a obra, sem deixar de lado a beleza de um grande projeto arquitetônico.

Conforme explicado por Bradley ao site Dezeen, a ideia inicial era construir com as técnicas tradicionais. Mas, com o orçamento reduzido, ele se viu obrigado a pensar em opções alternativas e econômicas. Os contêineres foram a solução. “Eu não mudei a ideia ou a estética do design, mas eu tive que optar por uma alternativa mais acessível”, informou.

PATRICK_BRADLEY_4
Patrick Bradley Architects

O projeto conta com dois contêineres dispostos perpendicularmente em dois andares. Eles foram instalados em um ambiente natural e repleto de rochas. Esses fatores fizeram com que o arquiteto tivesse atenção especial com a estética externa, a fim de manter a casa em harmonia com a paisagem ao seu entorno.

PATRICK_BRADLEY_5
Patrick Bradley Architects

A parte superior foi envolta em folhas de metal expandido cinza, enquanto o andar inferior foi revestido com painéis de aço Corten pré-oxidados. Segundo Bradley, esses são materiais comuns à região e constantemente utilizados nas construções rurais locais. A cor também manteve uma harmonia especial entre a residência e as pedras e árvores do entorno.

PATRICK_BRADLEY_3
Patrick Bradley Architects

Por ter os contêineres dispostos em formato de cruz, o segundo andar ganhou jardins nas laterais, aumentando a área útil disponível para os moradores. Além disso, os contêineres ganharam grandes aberturas que maximizam a entrada da luminosidade natural e passaram por tratamentos para isolamento térmico e impermeável, para evitar o acúmulo de água e ferrugem.

PATRICK_BLADLEY_6
Patrick Bradley Architects

Internamente o ambiente é clean, porém com muito design e vista para a natureza.

A residência está localizada em Marghera, na Irlanda do Norte.

Redação CicloVivo

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.