O mercado oferece poucas opções de produtos de beleza ecologicamente corretos. O mesmo acontece com a moda, apesar de um tímido avanço, a possibilidade de adquirir roupas, sapatos e acessórios dentro da linha sustentável é mínima.

Tornando-se um diferencial nesta área, a designer francesa Lili Giacobino desenvolveu uma técnica para produzir bijuterias a partir de batata, amido e tapioca. A matéria-prima incomum permite que suas peças se decomponham na natureza.

A designer dedica-se a pesquisar maneiras de criar peças que sejam ao mesmo tempo ecológicas e bonitas. Há mais de um ano, ela conseguiu substituir o plástico comum, que demora anos para se decompor, pelo bioplástico desenvolvido com alimentos.

Para colorir as peças, a designer utiliza chá, flores, mica mineral e tempero. Diversas coleções já foram criadas, sendo que cada bijuteria pode durar alguns anos at& eacute; serem biodegradadas completamente. Ela garante, em seu site, que suas joias são fortes e resistentes, mas se decompõem com facilidade.

Até chegar à técnica atual, Lili fez diversos testes com ingredientes orgânicos buscando os produtos que mais pudessem se assemelhar aos materiais, derivados de petróleo, usados convencionalmente e que também nã o fossem agressivos à pele humana.

A designer também trabalha com alumínio reciclado, resina ecológica, entre outros materiais sustentáveis, em sua empresa Lili Design, localizado no Reino Unido. Sua técnica pode ser aprendida através de workshops realizados no país. Com informações do Greenvana.

Redação CicloVivo

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.